espécies de espaços 2

impressão digital em vidro

2019




Espécies de Espaços é uma investigação que parte da apropriação de imagens capturadas por câmeras de vigilância.

O 2º trabalho dessa série, apresenta imagens de câmeras que tiveram seus registros inviabilizados graças às aranhas que tramaram teias na frente desses aparatos, tornando-se importantes agentes de contra-vigilância.




Quem cai na teia sequer se arranha. / (E a maioria dela se esquiva)

Um conjunto de imagens nos oferece a visão sobre a ocupação aparentemente inofensiva das aranhas. O dado importante sobre estas imagens é que elas são registros realizados por câmeras de vigilância domésticas.

Aparentemente, uma aranha leva de 20 a 30 minutos para tecer sua teia. Esta, que por sinal também é a palavra em inglês usada para nomear a grande rede que nos conecta globalmente (web), torna-se a imagem mais crítica desse conjunto. É a única capaz de realmente fornecer uma ideia de privacidade e proteção.

Trecho do artigo Viver e vigiar, de Hortência Abreu, publicado no catálogo do Bolsa Pampulha.





Fotos Julia Duarte




Apresentações:

Museu de Arte da Pampulha | Belo Horizonte | MG



Agradecimentos:

Hortência Abreu, Luis Rodrigo (Artmosphere), Flávia Peluzzo, Clarice G. Lacerda, Félix Blume, Flaviana Lassan, Julia Mesquita, Francisca Caporalli, Monica Hoff, Julia Rebouças, Beatriz Lemos.